News

Presidente da Hungria renuncia após perdoar homem condenado por abuso infantil

A presidente conservadora da Hungria demitiu-se no meio de protestos públicos sobre o perdão que concedeu a um homem condenado como cúmplice num caso de abuso sexual infantil, uma decisão que desencadeou um escândalo político sem precedentes para o governo nacionalista de longa data.

Katalin Novák, 46, anunciou em mensagem televisionada no sábado que deixaria a presidência, cargo que ocupa desde 2022. Sua decisão veio depois de mais de uma semana de indignação pública depois que foi revelado que ela emitiu um perdão presidencial em abril de 2023, a um homem condenado por esconder uma série de abusos sexuais de crianças num orfanato estatal.

“Emiti um perdão que causou perplexidade e inquietação em muitas pessoas”, disse Novák no sábado. “Eu cometi um erro.”

A demissão de Novák constituiu uma rara turbulência política para o partido nacionalista do governo húngaro, Fidesz, que governa com maioria constitucional desde 2010. Sob a liderança de Primeiro Ministro Viktor Orbáno Fidesz foi acusado de desmantelar instituições democráticas e de manipular o sistema eleitoral e os meios de comunicação a seu favor.

Presidente da Hungria renuncia
Presidente húngaro Katalin Novàk em abril de 2023.

André Medichini/AP


Novák, um importante aliado de Orbán e ex-vice-presidente do Fidesz, serviu como ministra da Família da Hungria até à sua nomeação para a presidência. Ela tem defendido abertamente os valores familiares tradicionais e a proteção das crianças.

Ela foi a primeira mulher presidente na história da Hungria e a pessoa mais jovem a ocupar o cargo.

Mas o seu mandato chegou ao fim depois de ela ter perdoado um homem condenado a mais de três anos de prisão em 2018 por pressionar as vítimas a retirarem as suas alegações de abuso sexual por parte do diretor da instituição, que foi condenado a oito anos por abusar de pelo menos 10 crianças entre 2004 e 2016.

Abuso Sexual do Presidente da Hungria
Pessoas marcham durante um protesto depois que o presidente húngaro Katalin Novák concedeu perdão a um caso de abuso sexual infantil em Budapeste, Hungria, em 9 de fevereiro de 2024.

Denes Erdos/AP


“Com base no pedido de clemência e nas informações disponíveis, decidi em abril do ano passado a favor da clemência, acreditando que o condenado não abusou da vulnerabilidade das crianças que lhe foram confiadas”, disse Novák no sábado. “Cometi um erro, porque a decisão de perdoar e a falta de justificativa poderiam levantar dúvidas sobre a tolerância zero à pedofilia. Mas aqui não há e nem pode haver dúvida”.

Também implicada no perdão estava Judit Varga, outra figura chave do Fidesz que apoiou o perdão como então ministra da Justiça da Hungria. Esperava-se que Varga liderasse a lista de candidatos ao Parlamento Europeu do Fidesz quando as eleições forem realizadas neste verão.

Mas num post no Facebook no sábado, Varga anunciou que assumiria a responsabilidade política por endossar o perdão, e “retirar-se-ia da vida pública, renunciando ao meu lugar como membro do parlamento e também como líder da lista do PE”.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button